Snapchat para instituições

O Snapchat, por ser um aplicativo muito jovial bem recebido pelo público jovem, ainda não é aceito por muita gente da área de comunicação. Especialmente quando pensamos o seu uso de forma institucional. Mas vale lembrar que a comunicação institucional deve chegar aonde o seu público está. E se ele está no Snapchat, é válido, sim, considerar o seu potencial.

O público jovem é a grande parcela da audiência no Snapchat e a ferramenta pode ser a oportunidade de envolver este público nos temas da instituição. Mas não somente isso, a outra parcela da audiência do Snapchat também pode ser atendida. O importante é ver o quanto o conteúdo pode ser de fato interessante e diferente do já apresentado nas outras redes.

Leve em consideração os números*

  • Público jovem: 1 a cada 4 internautas com idade entre e 19 anos utiliza o Snapchat no Brasil;
  • Crescimento mundial: aumento de 57% de usuários em todo mundo entre 2014 e 2015;
  • Crescimento no Brasil: 120% entre 2014 e 2015;
  • Comparação: 10 bilhões de visualizações diárias, o Facebook tem uma média de 8 bilhões de vídeos vistos diariamente;
  • Usuários ativos: 10 milhões por dia.

Quem usa

Tanto empresas, como instituições governamentais estão aderindo ao Snapchat. O mesmo vale para veículos de comunicação. Como é um universo relativamente novo, ainda não há grandes destaques institucionais para podermos afirmar: ó, este faz um excelente uso do aplicativo. Há dias melhores e outros piores, porém vale a pena conferir algumas das instituições que optaram pela ferramenta e quem sabe se inspirar ali.

  • The White Housewhitehouse: o perfil mostra os bastidores de pronunciamentos do presidente americano Barack Obama, o dia-a-dia da Casa Branca, eventos culturais internos, eventos com oficiais, os espaços da Casa.
  • Governo de Mato Grosso governodemt: faz cobertura de eventos e reuniões públicas com a participação de membros do governo.
  • Assembléia Legislativa SC assembleiasc: o perfil é muito dinâmico e geralmente cobre os bastidores de eventos no órgão. Faz entrevista tanto com membros da Assembléia como visitantes e participantes de audiências, por exemplo.
  • Los Angeles Country Museum of Art LACMA: o perfil oficial mostra as exposições, obras de arte e os ambientes do museu.
  • Snap-Expressosnap-expresso: é referência como perfil de veículo de imprensa na rede. Oficial do jornal português Expresso, o perfil faz coberturas de eventos, agenda cultura, entrevistas no formato e com os recursos da rede. Dois repórteres são responsáveis pela rede. E o perfil responde aos contatos dos seus seguidores.

PS: se você tiver perfis institucionais para acrescentarmos aqui, é só sugerir nos comentários. 🙂

Boas práticas

Não existe um manual de boas práticas para o aplicativo. Mas vendo as instituições mencionadas acima e algumas outras é possível sugerir alguns cuidados e reflexões para quem deseja inserir sua instituição à rede.

  • Avalie com planejamento antes de ingressar na rede. Leve em consideração que é preciso uma pessoa (ou mais) dedicada exclusivamente à produção do conteúdo ali;
  • Tente algo novo ou ao menos uma nova abordagem em relação ao que já é promovido nas outras plataformas;
  • Seja presente. Ter alguma periodicidade é muito importante para cativar o público. Crie histórias (é a nomenclatura para o conjunto de postagens de cada usuário) interessantes e contínuas. Neste quesito, o snap-expresso é o melhor.

Sobre o Snapchat

É uma rede acessada exclusivamente por dispositivos móveis. Trata-se de um aplicativo baseado no envio de mensagens em formato de imagem, podendo ser fotos ou vídeos de até 10 segundos. As publicações da rede têm um caráter efêmero, pois ficam disponíveis pelo tempo máximo de 24h, podendo ser excluídas antes pelo autor.

Desenvolvido em 2011, o snapchat é uma criação dos estudantes da Universidade Stanford (Califórnia, EUA) Evan Spiegel, Bobby Murphy e Reggie Brown. Ele permite saber quem viu e quem printou seus vídeos e fotos. Há também a disponibilidade de chat direto e privado com outros usuários.

É um aplicativo baseado em uma linguagem de programação touch screen. Tudo no aplicativo é feito em tela. O botão de gravação é em tela, deslizando o dedo para os lados é a forma de acessar as histórias dos contatos, ir ao chats privados, entrar nas configurações.

Outros recursos tornam a rede mais divertida. Como poder desenhar na tela, colocar textos e figurinhas, utilizar filtros de edição de cor, tags com informações sobre a sua localidade, hora, velocidade e temperatura. Há a ainda a possibilidade de acelerar ou deixar mais lenta a execução do vídeo. Há ainda uma manipulação de imagem para selfies, onde figuras se sobrepõem à face humana se adaptando perfeitamente à forma, como maquiagens.

*Dados: Snapchat Inernal Data e GlobalWebIndex.

 

Jéssica Macêdo

Jornalista. Afinal, quem não é? Amante do rádio, casada com as mídias sociais. WordPress's fan. Mãe de dois, gateira e especialista em brigadeiro de panela.

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

© 2018 Jornalista Digital | ScrollMe by AccessPress Themes